Conheça os bastidores do Safari Portobello!

O safari do Portobello é classificado pelo IBAMA como categoria A, ou seja, os animais vivem em liberdade, seguros e cuidados por uma equipe treinada e orientados por um veterinário e um biólogo. Nossos animais são provenientes de apreensões ilegais, resgates e muitos chegam até nós depois de sofrerem acidentes, maus-tratos ou serem abandonados.

Aqui no Portobello temos atualmente mais de 500 animais entre nativos do Brasil e outros de diversas faunas ao redor do mundo, todos vivendo em harmonia com outras espécies. Mas você já imaginou como é o dia-a-dia do nosso safári? Que horas alimentamos os animais, o que eles comem, qual é o mais guloso, onde eles dormem, como é feito o tratamento etc? Quem faz o passeio pelo nosso safári geralmente tem muitas perguntas sobre como é cuidar de tantos animais diferentes e por isso o veterinário Bruno e o biólogo Daniel resolveram nos contar um pouco sobre como são os bastidores do Safári Portobello.

O biólogo Daniel contando um pouco sobre o resgate e acolhimento dos animais do safári.

Quem cuida do Safári Portobello costuma acordar cedo! Por volta das 7h da manhã os funcionários já estão de pé preparando um mix de silagem de milho, feno de alfafa, ração farelada e ração peletizada. Essa mistura apetitosa é destinada à alimentação da fauna exótica, como os cervos, camelos, zebras e dromedários. Já a alimentação da fauna nativa (primatas, emas, capivaras, quatis, jabutis, antas, patos, tucanos etc) é feita a base de ração específica para cada animal, legumes e frutas. Os animais têm o hábito de se alimentar por volta das 8h da manhã e os primeiros a comer são os dromedários, camelos e zebras, pois como eles comem muito rápido, os tratadores os alimentam primeiro para que eles não atrapalhem a refeição dos outros animais.

Após todos alimentados, é feita uma verificação diária sobre o estado de saúde dos animais, se há algum ferimento devido à brigas, mordidas de insetos ou algo mais grave que necessite de pomada, tratamento ou algo que vale uma intervenção do veterinário.

Depois de liberados, os animais estão prontos, cheirosos e alimentados para receber os visitantes, serem fotografados e ainda fazer selfies com nossos hóspedes.

O safári possui abrigo para os dias de chuva e noites mais frias mas os animais preferem procurar proteção debaixo das árvores e dos bambuzais. O mesmo acontece quando chega a hora de dormir. Apesar de haver abrigos espalhados pelos mais de 20 milhões de metros quadrados de Mata Atlântica, todos preferem se acomodar sob o aconchego de uma árvore.

Venha conhecer nosso safári de pertinho e viva esta experiência inesquecível!

Hora da alimentação das zebras e dromedários, que na hora de comer são colocados em um ambiente afastado para não atrapalhar a refeição dos outros animais. Como estão acostumados eles já entram no espaço sozinhos e esperam a comida. Após comerem eles voltam para o campo aberto.

O dromedário é sempre o primeiro a chegar e o mais ansioso pela refeição.

Nosso lago está repleto de peixes e tem até um jacaré de papo-amarelo que também são alimentados todas as manhãs.

Na área dos nativos a hora da refeição gera correria entre as emas, avestruzes e patos.

Os búfalos são bem calmos e apreciam a refeição tranquilamente.

Dando aquela passada pela área dos cervos, waterbucks e cervicapras para conferir se estão se alimentando direitinho.

A alimentação dos cervos de pertinho. Já acostumados com a presença dos tratadores eles comem calmamente.

Waterbucks passeando tranquilos depois de uma boa refeição.

As lhamas são sempre tranquilas e é só chamar que elas vêm comer.

Uma última passada pela área dos cervos para ver se estão todos alimentados e calminhos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *